Aventuras na reciclagem criativa Inspire article

Traduzido por Bruno Fontinha. Possui uma gaveta cheia de telemóveis antigos? Um professor está a explorar novos usos para tais artigos, ao mesmo tempo que estimula a imaginação criativa dos seus alunos.

Os adolescents muito dificilmente conseguem imaginar-se a viver sem telemóveis. Enquanto adultos, também dependemos destes e de outros dispositivos electrónicos, que hoje em dia são uma parte essencial das nossas vidas. Enquanto que os telemóveis, tablets e laptops geralmente possuem uma vida útil bastante intensa, por outro lado, esta não é muito longa, durando frequentemente menos do que uma década. Assim que estão estragados, ou que o seu desempenho caia – ou simplesmente não estando na moda – estes tornam-se parte da pilha cada vez maior de “lixo electrónico”.

Generations of mobile phones
Geraçãoes de telemóveis: estes aparelhos essesciais estão constatemente a serem substituídos por novos modelos.
cheyennezj/Shutterstock.com
 

O lixo electrónico é considerado um material perigoso, na medida em que contém metais pesados tais como chumbo, mercúrio, cádmio e crómio, precisando então de ser eliminado cuidadosamente. Pode também gerar compostos tóxicos se for queimado. No entanto, o lixo electrónico apresenta-se como um desafio e uma possibilidade, ambos para a economia e para o ambiente: é, de facto, uma mina de ouro devidos aos metais raros que contém.

No entanto, não é de todo fácil recuperar estes metais pesados do lixo electrónico, pois muitos existem somente em quantidades residuais. Mais ainda, as composições metálicas também diferem de um dispositivo para outro e de um ano para o outro, por isso é difícil optimizar a recuperação desses materiais comercialmente. Como resultado, apenas uma pequena proporção do valor oculto no lixo eletrónico é recuperada hoje em dia, mesmo usando as técnicas mais actualizadas.

Aprendendo a desmontar

Teacher Roberto Zamparini and the e-waste Christmas tree
Professor Roberto Zamparini,
reflectido numa decoração de
árvore de Natal feita de lixo
electrónico

Marco Spinato

Uma pessoa que está bem ciente deste desafio é Roberto Zamparini, professor de informática e computação gráfica numa escola secundária no norte da Itália. Fora da sala de aula, Roberto trabalha com empresas locais como consultor e programador de software. Ele também montou um projeto de reciclagem que reúne empresas de recuperação de metais comerciais e pesquisadores de universidades, com o objetivo de encontrar novas maneiras de maximizar a recuperação de metais preciosos do lixo eletrónico.

Na escola, Roberto está extremamente empenhado em encontrar usos para a tecnologia de ontem durante as suas aulas. Como as suas funções dão-lhe acesso a um manacial de material eletrónico antigo, ele tem usado essa vantagem para criar um “laboratório de desmontagem”, onde os seus alunos são desafiados a desmontar esses objectos tecnologicamente complexos. Eles aprendem como abrir smartphones e computadores para repará-los e reciclá-los – ou mesmo criar objectos artísticos. Em 2016, Roberto e os seus alunos criaram uma árvore de Natal com lixo eletrónico no laboratório de desmontagem, feita exclusivamente de componentes eléctricos recuperados, e decorada com luzes festivas piscantes.

A árvore de Natal feita de lixo electrónico
Marco Spinato

Explorando a ciência com lixo electrónico

Um outro uso que Roberto encontrou para objectos de lixo electrónico é ajudar a ensinar conceitos científicos, demonstrando a ciência por detrás de como esses dispositivos funcionam – da física subjacente a telas sensíveis ao toque e microfones, às propriedades únicas dos elementos químicos dentro deles. Esta abordagem ajuda a tornar as ideias mais atraentes para os alunos, especialmente aqueles que não se sentem atraídos em se envolverem com o lado teórico da ciência e da tecnologia.

Os próprios componentes também são úteis para experiências científicas práticas: por exemplo, Roberto usa os ímanes de neodímio encontrados nos discos rígidos numa experiência para demonstrar correntes de redemoínhos (consulte a seção de materiais adicionais) e a polarização da luz pode ser investigada usando telas LCD antigas.

Recentemente, Roberto colaborou com um professor de biologia para montar um projecto interdisciplinar de taxonomia, adaptando os princípios da classificação biológica à triagem de componentes de lixo eletrónico, para que eles pudessem ser melhor reconhecidos e separados. O objectivo não era apenas conseguir uma maior reutilização, mas também descobrir princípios de classificação que facilitassem a desmontagem.

O conductor ferroviário

Outro dos projetos de reciclagem bem-sucedidos de Roberto concentrou-se na tecnologia de uma era anterior: ferrovias. Tendo encontrado uma ferrovia desactivada perto de sua casa, Roberto e os seus alunos começaram a construir um veículo movido a energia humana – feito quase inteiramente de peças recicladas – para correr na linha de comboio. O protótipo “condutor ferroviário” ocorreu pela primeira vez em Abril de 2017 e atraiu muita atenção – tanto que a linha foi reaberta em 2018, completa com comboios de passageiros.

O projeto de transporte ferroviário até causou impacto internacional: em Setembro de 2017, um grupo austríaco que estava a tentar reabrir uma ferrovia em Kötschach-Mauthen pediu emprestado o “condutor ferroviário”. Então, Roberto e alguns estudantes atravessaram a fronteira com o protótipo, para montá-lo na ferrovia abandonada na Áustria – que agora tem melhores perspectivas de reabertura.

Roberto’s students take a trip on the rail rider.
Os estudantes do Roberto fazem uma viagem no conductor ferroviário na Áustria
Roberto Zamparini

Interacções positivas

Os projetos de Roberto estão ligados não só por uma abordagem criativa à reciclagem, mas também pelas interações positivas que ele tanto estimula dentro da sala de aula. Alguns de seus alunos têm que lidar com situações pessoais difíceis, e os seus problemas podem afectar o humor e a produtividade de toda a turma. Além de estar pronto para ouvi-los e fornecer ajuda práctica, Roberto acha que a melhor abordagem para uma aprendizagem bem sucedida é encorajar os seus alunos a se envolverem nos seus estudos a um nível emocional.

Por exemplo, ele acredita que uma estratégia-chave é dar aos alunos o máximo de autonomia possível. “Os adolescentes são muito controlados, em casa, na escola, na sociedade. A única maneira de eles terem alguma liberdade é quebrar as regras ”, diz. “Por exemplo: se alguém tem menos de 14 anos, na Itália, pode não ter permissão para voltar da escola sem um adulto responsável. Desta forma, a autonomia dos estudantes não é fomentada, numa época em que eles estão a esforçar-se para alcançá-lo ”.

The disassembly lab
O laboratório de desmontagem: Roberto (na parte de trás) e os seus alunos no trabalho
Marco Spinato
 

Por esse motivo, a sua abordagem de ensino incentiva a liberdade na sala de aula. Ele permite que os alunos façam as suas próprias escolhas e muitas vezes divide a turma de acordo com o que os diferentes grupos gostariam de fazer. Às vezes, ele deixa um grupo de alunos sozinho num laboratório, confiando neles com o equipamento delicado, enquanto fica com outros alunos noutras partes da escola. “A emoção de estar sozinho dentro de um laboratório escolar, fazendo o que se quer realmente fazer, é um estímulo incrível para a aprendizagem”, diz Roberto. “Eu tento fazer com que os alunos façam parte do processo de confiança. Para fazer isso, claro, eu também tenho que colocar as minhas próprias emoções no jogo. ”

Ele resume a sua filosofia com esta mensagem: “Os alunos na escola devem fazer pelo menos uma coisa todos os dias em que são realmente bons. A habilidade do professor é encontrar para cada um deles essa coisinha e deixar o aluno orgulhoso disso ”, afirma. “O resto virá da consciência dessa conquista.” Mais uma vez, a chave é apreciar o material precioso que vem de dentro e cuidar dele para o futuro.

Agradecimentos

The author would like to thank the school, IPSIA Della Valentina of the Istituto di Istruzione Superiore Statale di Sacile e Brugnera, Italy, for their help with preparing this article.

Download

Download this article as a PDF

Resources

Author(s)

Cristina Florean trabalha como cientista biomédica no Luxemburgo. Depois de obter o seu doutoramento, passou algum tempo a dar aulas no sistema escolar italiano. É apaixonada pela escrita e educação científica e é membro da Fondation Jeunes Scientifiques Luxembourg, que organiza o concurso nacional de ciências para estudantes no Luxemburgo.




License

CC-BY