Competição Europeia CanSat 2016 Inspire article

Traduzido por Pedro Augusto. Em Junho, alunos de toda a Europa encontraram-se em Portugal para competir dentro da competição europeia CanSat. Um dos seus professores diz-nos mais.

Quando eu falei pela primeira vez aos meus alunos da competição CanSat da European Space Agency (ESA)w1 e lhes perguntei se havia alguém interessado, todos estavam desejosos em participar, mas hesitantes ao mesmo tempo. A CanSat é um modelo funcional de um satélite real que se coloca dentro de uma lata de refrigerante de 330 mililitros. Os CanSats não vão para o espaço mas, em vez disso, são largados de um foguetão ou balão a uma altitude de cerca de 1 quilómetro. De acordo com as regras da competição, deve incluir um computador de bordo, sensores para diferentes medições e um transmissor rádio para comunicar com a estação em terra.

Assim, apesar dos meus alunos em Vasa Övningsskola na Finlândia acharem a ideia excitante, alguns estavam preocupados com o facto da competição poder ser demasiado complicada para eles, uma vez que não tinham estudado nada de eletrónica ou programação. Mas um grupo decidiu avançar, mesmo assim, aprendendo todas as competências necessárias pelo caminho – quando deram conta já estavam em Portugal para as finais europeias de 2016, de 22 a 25 de junho. Como os meus alunos descobriram, é surpreendentemente simples começar e construir um CanSat funcional – mas muitíssimo complicado construir algo que se espere ser o melhor na Europa.

The German team, in close co-operation, finishing their CanSat for the test drop
A equipa alemã, em cooperação próxima, concluindo o seu CanSat para o teste de queda.
Direitos ESA

A final de 2016 acolheu 14 equipas de toda a Europa. A maioria das equipas chegou a Portugal depois de vencer uma competição nacional, embora umas poucas de países sem uma comunidade CanSat ativa foram também selecionadas para tomar parte. Cada equipa consistiu em quatro a seis alunos e, pelo menos, um professor acompanhante, de tal forma que, no total, cerca de 100 fanáticos pelo espaço encheram os hangares do aeródromo de Torres Vedras (perto de Lisboa) durante a competição.

A mesa da minha equipa no hangar estava frenética em atividade durante os primeiros dois dias da competição. Problemas persistentes com a nossa unidade de GPS implicaram que os alunos soldassem e re-soldassem ligação após ligação num pânico de último minuto, na esperança de identificar o problema e arranjar o GPS de forma fiável. No primeiro dia os alunos esgotaram os componentes disponíveis mas, com a ajuda de várias outras equipas, encontraram uma solução funcional que combinava chips e antenas. No final do segundo dia, a simpática luzinha verde do LED do chip do GPS começou finalmente a piscar, indicando que o satélite estava arranjado.

The Finnish team setting up their test drop ground station under the supervision of the author
A equipa finlandesa preparando a estação terrestre do teste de queda, sob orientação do autor.
Direitos ESA

Como professor, isto exemplifica o que eu penso que torna a competição europeia CanSat uma experiência fantástica. Os alunos trabalharam noite dentro, se necessário, para resolver problemas aparentemente impossíveis, antes de finalmente serem bem sucedidos. E estudantes de diferentes países, mas com a mesma paixão pela ciência e a tecnologia, conheceram-se e ajudaram-se mutuamente durante toda a competição.

Durante o segundo dia de competição os juizes inspecionaram os aspetos técnicos das latas e dos paraquedas. De seguida, foram realizados testes de queda desde uma avionete para garantir que as latas poderiam ser carregadas nos foguetões em segurança e disparadas até uma altura de um quilómetro.

O terceiro dia era o dia dos lançamentos mas, como acontece com lançamentos reais de foguetões, o mau tempo causou vários atrasos. No final, apenas cinco dos planeados sete foguetões foram disparados em segurança, tendo alguns CanSats de ser lançados de uma avioneta a baixa altitude. Seguiu-se uma curta noite, durante a qual todas as equipas trabalharam duro na análise de dados de forma a preparar as suas apresentações finais na manhã seguinte.

The European CanSat Competition participants and crew achieve lift-off!
Os participantes da competição europeia CanSat e a tripulação conseguem descolar!
Copyright ESA
 

Ao ouvir estas apresentações fiquei admirado pela elevada qualidade de todos os projetos. No final, a equipa portuguesa foi coroada vencedora do CanSat 2016, seguida da alemã e da irlandesa. Não há dúvidas, no entanto, que todas as equipas participantes trabalharam duro durante meses de forma a preparar as suas missões, aprendendo imenso no processo, todas apresentando resultados fantásticos. Isto, penso eu, torna todas as equipas vencedoras!
 

Sobre o CanSat

  • O CanSat começou nos anos 1990 nos Estados Unidos da América e no Japão como uma forma de aumentar o interesse em investigação espacial junto de alunos universitários.
  • A competição europeia CanSat destina-se a alunos do ensino secundário e tem sido organizada pelo Education Office da European Space Agency desde 2010, embora vários países europeus tenham trabalhado com CanSats a nível nacional desde há mais tempo.
  • A melhor forma de se envolver com o CanSat é entrar numa competição nacional, organizada pelos representantes locais do European Space Education Resource Office (ESERO); ver o website do CanSat com uma lista das competições nacionais.  
  • As mesmas organizações também coordenam workshops para professores interessados em iniciar um projeto CanSat.

Download

Download this article as a PDF

Web References

Institution

ESA

Author(s)

Markus Norrby é um professor de Física na Vasa Övningsskola na Finlândia.




License

CC-BY